Pa Kua Arte Marcial

Sérgio M. de Souza
5 min readNov 3, 2023

Quais os aspectos principais do ensino de arte marcial na Liga Internacional de Pa Kua?

A arte marcial Pa Kua se destaca pela abordagem gradual no ensino de técnicas eficientes, proporcionando uma trajetória clara de evolução. Embora englobe também o combate físico, seu núcleo reside no autodesenvolvimento e na ascensão pessoal, ao invés da rivalidade. A circularidade enfatiza a fluidez e a busca pelo equilíbrio. Essa abordagem transcende o tatame, equipando seus alunos com habilidades para se adaptar aos desafios da vida cotidiana.

Método de ensino

O ensino da arte marcial na Liga Internacional de Pa Kua segue um sistema de faixas, semelhante a outras artes marciais. No entanto, o ensino é organizado em blocos. Em cada faixa, o aluno aprende um tipo de técnica diferente, que posteriormente será combinada com as habilidades adquiridas nas outras faixas, permitindo o desenvolvimento de técnicas mais complexas conforme o aluno vai se graduando.

Por exemplo, na faixa branca, o aluno aprende escapes básicos de agarres, golpes de perna, punho e bloqueios. Nas faixas seguintes, são adicionados elementos como pontos de pressão, torções, alavancas e projeções, ampliando o repertório de técnicas e aprofundando o conhecimento do aluno. Cada faixa possui um objetivo distinto, por exemplo, a faixa branca busca desenvolver habilidades de defesa básicas e escapar de agarres simples, enquanto a faixa cinza (5ª faixa) foca em técnicas mais avançadas, incluindo imobilizações e projeções. À medida que o praticante avança nas faixas, suas habilidades marciais se tornam mais amplas e complexas.

O objetivo é alcançar o primeiro grau da faixa preta, que consiste em oito graus, sendo capaz de utilizar as ferramentas e habilidades previamente aprendidas para trabalhar técnicas mais complexas e aplicá-las de maneira a incorporar a circularidade do Pa Kua.

A faixa preta representa uma nova etapa para que o aluno desenvolva um nível avançado de proficiência, em que esse buscará um domínio aprimorado das técnicas e princípios fundamentais do Pa Kua.

O uso ou não das formas (Taolu/Kati)

As formas e katas geralmente são compostas por uma série de movimentos complexos e sequenciais. Por isso, muitas vezes, pode ser difícil acompanhar e visualizar cada técnica individualmente, especialmente quando se está começando.

Posto isto, na Liga Internacional de Pa Kua a forma é estudada no início como algo secundário, pois o foco está na busca da aplicação direta das técnicas para que o aluno consiga sair mais confiante das aulas ao enxergar a aplicabilidade delas. A partir da faixa preta, se inicia uma nova etapa onde a prática das formas passa a fazer parte de maneira mais constante no estudo do aluno.

Não competição

A importância da não competição foi passada ao mestre Magliacano pelo seu mestre I Chang Ming, que vinha de uma tradição taoista de pensamento e filosofia. O taoismo tem sua base construída através dos escritos de Lao Zi, que acreditava que a não disputa era uma virtude fundamental para se viver em harmonia com o mundo. A não disputa não significa ser passivo ou indiferente, mas sim cultivar uma atitude de humildade, moderação e compreensão.

Mestre Magliacano, através dos ensinamentos do seu mestre, percebeu que a prática da arte marcial poderia ir muito além do combate físico e possibilitar a evolução do indivíduo como um todo. No seu aprendizado de Pa-Kua, descobriu que o nosso maior oponente sempre será nós mesmos.

Assim, o Pa Kua oferece uma alternativa ao mundo competitivo em que vivemos, com ênfase no autodesenvolvimento, gestão do estresse, relacionamentos saudáveis, disciplina e respeito. Isso permite focar no progresso pessoal, lidar com desafios, equilibrar emoções, construir uma comunidade e cultivar valores positivos.

Combate e o contato físico

Apesar de o Pa Kua ser uma arte marcial não competitiva, isso não significa que não haja combate em seu currículo. No entanto, o combate não é encarado como uma competição com o outro praticante. O objetivo principal é a busca pela melhoria interna e pessoal.

O treino de contato é introduzido gradualmente, à medida que o aluno progride e adquire as habilidades necessárias para compreender o combate. Essa progressão varia de indivíduo para indivíduo, uma vez que o treinamento em Pa Kua é adaptado à realidade pessoal de cada um. Portanto, o momento em que o combate é incorporado ao treinamento pode variar, dependendo da trajetória educacional de cada praticante.

Circularidade

A circularidade é outro aspecto que está presente na raiz do Pa Kua, já que o conhecimento, através do estudo dos oito trigramas, representa a ideia de que tudo está em constante mudança e transformação, e que a capacidade de se adaptar e fluir com as circunstâncias é essencial. A circularidade no Pa Kua reflete a natureza cíclica da vida e a importância de se manter em equilíbrio e harmonia com o fluxo do universo.

Através dos movimentos circulares, o praticante de Pa Kua busca criar um fluxo contínuo e fluido, explorando diferentes direções e ângulos para confundir e desequilibrar o oponente. Essa abordagem circular também ajuda a desenvolver a agilidade, a flexibilidade e a capacidade de se mover suavemente em torno do adversário.

Esses princípios podem ser aplicados não apenas no combate marcial, mas também na vida cotidiana, ajudando os praticantes a lidar com desafios, a encontrar soluções criativas e a se adaptar às mudanças de forma eficaz.

Portanto, a Arte Marcial de Pa Kua oferece uma abordagem holística que combina eficácia prática, desenvolvimento físico e mental aliado a um sistema de treinamento efetivo.

Ficou interessado em conhecer? Acesse então:

--

--

Sérgio M. de Souza

Praticante e professor na Liga internacional de Pa Kua